Amanhã eu faço

Que atire a primeira pedra quem não passou por isso, pelo menos uma vez.

Procrastinar, uma palavra complexa para um comportamento tão comum. Sim, deixar para fazer mais tarde é um comportamento muito comum e, por vezes, gerador de sensações muito incômodas.

A palavra, de origem latina (procrastinatus – pro=á frente e crastinus=amanhã), identifica a pessoa que adia, sistematicamente, as suas atividades.

Esse comportamento ocorre por motivos bastante diversos, mas seja qual for o seu motivo, as reações são muito negativas. O adiamento de tarefas pode causar várias sensações negativas como: aumento de stress, sensação de culpa, ansiedade e confusão para definição de prioridades entre outros fatores. É, portanto, um fator bastante disfuncional no comportamento profissional em geral.

Mas, como disse, a procrastinação pode ocorrer por motivos bastante diversos como:

  • Consequência do nível de autoestima. Sim com uma tendência á uma baixa autoestima o profissional pode adiar a atividade em razão do receio de ter que enfrenta-la. Ou, se a tendência é de uma alta autoestima pode ocorrer o adiamento porque, “é fácil e posso fazer rapidamente”. E deixa-se então para o último momento.
  • Outro fator constante para a ocorrência da procrastinação é o perfeccionismo. Este é um fator muito comum. A expectativa de fazer a atividade com muita profundidade ou abrangência pode exigir uma preparação muito longa. E parece que nunca está como deveria. Neste caso lembrem-se de que “o ótimo não é bom”!
  • Há, também, diferenças na avaliação da importância da atividade. Tarefas consideradas de pouca importância são, geralmente, deixadas para depois. Mas, pouco importante para quem? Essa é uma pergunta que devemos nos fazer frequentemente. Por vezes não gostamos de algumas atividades e, por isso, a consideramos de menor importância (por exemplo, colocar em ordem a sala desarrumada). Sempre analise a importância de uma atividade levando em conta o contexto e as outras pessoas.
  • De outra forma consideramos a tarefa de tanta importância que nos causa receio, principalmente pelas consequências da tarefa. Há sempre uma pressão sobre essa ação e o receio de não ser bem sucedido tornando-o indeciso quanto á ação.
  • Outro ponto importante é o excesso de atividades. Por vezes, na expectativa de se ter uma boa imagem profissional, aceita-se mais atividades do que seria lógico e adequado. Evidentemente algo ou não será bem feito, ou simplesmente não será feito. Saber dizer não e analisar adequadamente sua capacidade de produção é fator preponderante de bons resultados.
  • Podem existir fatores físicos e psicológicos que levam á procrastinação. Por exemplo, dificuldade de atenção (déficit de atenção) e de foco levam á perda de produtividade e, portanto, de concretização da ação. Episódios de depressão, mesmo que ocasionais, levam á postergação de atividades. Também é importante destacar os fatores motivacionais. É lógico que atividades que nos motivam são premiadas com a nossa melhor atenção. É muito bom fazer o que se gosta, mas não podemos nos esquecer de que, para isso, é necessário se fazer o que precisa ser feito, seja agradável ou não. É o preço.
  • Por fim um último exemplo que na minha atividade de magistério era bem comum. Os alunos sempre solicitavam adiamento das datas de entrega dos trabalhos argumentando que isso iria melhorar a qualidade dos trabalhos. No entanto, o tempo livre, concedido, era logo invadido por outras atividades e, ao final, o acumulo de tarefas levava á uma baixa na qualidade do resultado final, para todas as tarefas. Em suma, dedique o tempo certo para cada atividade.
    • Utilize uma agenda para lembra-lo da tarefa (não marque a data de entrega, mas sim a data em que tem que iniciar a fazer).
    • Cuidados com as “facilidades tecnológicas”. Por vezes isso pode atrapalhar a execução ou distrair a sua atenção para o mais importante. Isso é, cuidado para não ficar checando a sua caixa de e-mails a toda hora e muito cuidado com o facebook, Skype, etc.

Não é fácil, eu concordo, mas podemos agir objetivamente para aumentar o nosso foco, os nossos resultados e reduzir as nossas ansiedades e sensações de culpa, desnecessárias.

Similar Articles

Relacionamento > Diferenc... Presumo não haver dúvida sobre o fato de que o relacionamento sempre foi um fator estratégico e diferencial para os resultados. Mas, respeitando o título, afirmo que
O novo enfoque da Avalia... O novo enfoque da Avaliação de Desempenho As grandes mudanças no ambiente empresarial e a necessidade de maior aproximação com os objetivos organizacionais alteram substancialmente, os procedimentos
Você está confortável?... Tudo bem, impossível negar que estar confortável é objetivo de todos, mas que é um grande risco não tenham dúvida! Um dos exemplos que utilizo para demonstrar
Apresentação do Livro D... Não há desenvolvimento sem feedback. Esta afirmação, que repetiremos algumas vezes, serve para iniciar nossa apresentação deste “Dicas de Feedback”. O que Vc acha da frase. “Preciso
Pequeno comentário sobre... Posso definir o tipo empreendedor como aquele trabalhador que objetiva uma atividade autônoma e que pretende colocar um “sonho” em prática. Mas só isso não basta. Para
Sucesso Sucesso é perder uma competição para o filho. É reconhecer a razão no argumento da filha. Ou será que a isso se chama felicidade? Aliás, sucesso e
Projeto Encontrho –... Dia 09.12 estaremos no Projeto Encontrho, realização da Fenix Editora, com a Palestra: O Feedback na relação Clientes e Fornecedores Internos.  Evento acontecerá na Estação de Treinamento ABTD
Velejando em Busca de Com... Sucesso no Treinamento ABTD OPEN será repetido. Acontecerá nos dias 23, 24, 25 e 26 de março o Treinamento Velejando em Busca de Competências. Você que é

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *