Criando Cultura de Feedback

Feedback é um procedimento tão antigo quanto a civilização. Sempre esteve presente em todos os relacionamentos, seja em forma explicita ou velada, mas sempre presente.

No entanto sua prática, mesmo que convencional, não é sempre uma expectativa positiva por parte de grande parte das pessoas. Afinal é difícil aceitar observações que nos corrigem ou mesmo que nos orientem. Gostamos de ser autossuficientes.

Outra constatação é que o feedback tem uma importância superlativa. Mesmo que não seja percebida pela maioria das pessoas a sua contribuição é determinante.

Por exemplo, qual a nossa expectativa após a prova? Ora, a nota, isto é, o feedback. Por isso afirmo que “não há desenvolvimento sem feedback”.

E isso se aplica nos relacionamentos pessoais, familiares, profissionais enfim, em tudo na nossa vida.

Na área empresarial ganha destaque com a questão da Avaliação de Desempenho, mas só por volta de 2008 (em 2009 lancei meu livro “Dicas de Feedback) adquire notoriedade com as novas tendências da Avaliação de Desempenho, reforçando o enfoque desenvolvimentista da avaliação. Costumo exemplificar dizendo que “a Avaliação de Desempenho começa quando termina”, consignando que somente após o preenchimento do questionário de avaliação é que o processo começa, principalmente com o feedback e a orientação do plano de ação. Antes disso é só levantamento de dados.

Após a identificação das necessidades é que se inicia o trabalho de desenvolvimento dos colaboradores, das equipes e dos resultados da própria empresa. Essa é a verdadeira razão de ser. Sempre deveria ter sido.

Com isso as novas tendências de avaliação reforçam o objetivo para o desenvolvimento das pessoas, das equipes e das organizações.

Por isso o grande objetivo do processo não é mais, apenas, o ranking ou a classificação puramente, mas o estreitamento do contato entre chefe e subordinado. E até mesmo as questões relacionadas á remuneração e promoções passam a serem consequências do processo e servem apenas de referencial.

Mas não basta trabalhar o feedback por ocasião da aplicação da Avaliação de Desempenho.

Feedback é ferramenta de gestão para todos os dias!

Por isso é fundamental incluir o feedback na cultura da organização para que se possa caminhar para um ambiente aberto ao diálogo, com facilidades de troca de informações e para que o feedback seja uma prática não apenas para cumprir agendas e programas, mas seja uma relação altamente produtiva onde a crítica construtiva seja rotina em todos os níveis.

Com a cultura do feedback instalada podemos esperar como consequência:

  • Melhor compreensão das orientações e deliberações em geral
  • Maior efetividade do processo de desenvolvimento com direcionamento e monitoria.
  • Combate á “criação de fantasmas” provenientes da falta de informação e da interpretação equivocada causada por percepções superficiais.
  • Comunicação e colaboração mais clara e abrangente na estrutura.
  • Reconhecimento e acompanhamento por parte da liderança gerando um sentimento de meritocracia e motivação.
  • Maior efetividade das ações das lideranças, entre outras possibilidades.

Mas, implantar uma “cultura” de feedback requer passar por algumas etapas. A exemplo da Avaliação de Desempenho a competência no feedback também se faz por curva de aprendizagem, isto é, aprende-se fazendo.

Inicialmente é fundamental entender porque existe o Feedback e como podemos definir. Utilizo o exemplo da Nasa que monitorava o lançamento de foguetes que eram teleguiado pela Central, ou seja, não tinham tripulantes e eram controlados remotamente. Durante o percurso o foguete emitia um sinal para a Central da Nasa que interpreta o sinal e devolve, em feedback, uma REORIENTAÇÃO, para que o foguete não erre o alvo, mas acerte o alvo (a Lua, por exemplo).

Essa situação aplica-se exemplarmente ao feedback na comunicação, nas relações interpessoais e nas ações de liderança. É um sinal que recebemos de nossa equipe ou subordinado para que possamos REORIENTA-LO para que acerte o alvo. Isso é feedback.

Não é, simplesmente, dizer se está certo ou errado. Feedback é dizer porque está certo ou porque está errado reorientando o processo. Essa é a ação que se espera de toda a liderança.

Mas vamos ao processo para criar uma cultura de Feedback:

  1. Primeiro passo: Antes de qualquer ação é necessário “desmistificar” o feedback para a população e incorporá-la nas estratégias da Organização. O primeiro alvo, portanto, são os níveis de decisão e liderança desde a Diretoria. É absolutamente necessária uma vontade política definida e expressa.

Com isso procuramos clarificar o feedback, sua aplicação e a relação cúmplice entre avaliador e avaliado e sua importância no processo de desenvolvimento.

  • Segundo passo: Receber feedback também é parte importante de todo o processo. Procura-se, então, sensibilizar a estrutura para a importância do feedback no processo de desenvolvimento tornando-o em algo a se buscar. Essa ação se realiza por meio de treinamentos com o objetivo de aprofundar o conceito e a prática assim como a pertinência das críticas construtivas para o processo de desenvolvimento profissional. De forma geral esses passos iniciais procura conscientizar a população para procurar, de forma autônoma, o feedback.
  • Terceiro passo: Na sequencia deve-se estabelecer alguns procedimentos para provocar a prática do feedback e o amadurecimento das relações. Pode-se referir á organização da sistemática de avaliação (formal ou não) para dar consistência aos dados a serem tratados no feedback. Imagino que fica evidente que o feedback exige um processo de avaliação, formal ou não, mas uma avaliação para habilitar o feedback. Reuniões de feedback com a equipe já é uma ação esperada nessa fase. Nesta fase o foco no processo de feedforward é fundamental. Evidentemente que já é tratado desde o início, mas neste momento devemos oficializar com a definição de um Plano de Ação e de um acompanhamento sistemático e oficial, até para dar base para o próximo passo.
  • Quarto passo: Com o amadurecimento da prática já podemosaumentar a abrangência da ação de feedback para as outras áreas do negócio, de forma a envolver toda a organização.

Essa fase é cuidadosa porque devemos iniciar a abrangência do feedback com foco nas relações mais próximas e mais objetivas como, por exemplo, a relação cliente e fornecedores internos. Deve-se tomar cuidado para não abrir demasiadamente o foco sem a devida preparação de todos.

  • Quinto passo: Para dar andamento e visão de futuro ao processo de desenvolvimento, que não pode ficar restrito apenas á promoções de cargos, ou de steps na classificação de cargos, este passo oficializa algumas “trilhas de desenvolvimento” como, por exemplo: Formação de Sucessores / Desenvolvimento de Empreendedores Internos / Avaliação de Fornecedores Internos / Equipes Multifuncionais / “Job rotation” e outras ações, possibilitando o aproveitamento mais abrangente dos potenciais da organização.

A criação de uma Cultura de Feedback pode ser vista como uma verdadeira revolução nas relações internas e na dinâmica de desenvolvimento profissional para todos os níveis das empresas.  

Já estamos realizando vários projetos de criação de Cultura de Feedback com excelentes perspectivas e esse processo deverá se tornar ainda cada vez mais intenso.

Bernardo Leite

assessoria@bernardoleite.com.br  

Similar Articles

Depoimentos do treinament... Depoimentos referente avaliação do treinamento de Avaliação de Desempenho e práticas de Feedback realizada pelo Idepro nas dependências da ABTD
De perto ninguém é norm... Texto referente ao 40o. Capítulo do novo Livro do Prof. Bernardo Leite: Será que minha Empresa é assim? Está na editora para lançamento em breve.
Criando Cultura de Feedba... A Cultura de Feedback pode ser considerada uma revolução nas relações internas e na dinãmica de desenvolvimento profissional nas Organizações
Relacionamento > Diferenc... Relacionamento > Diferencial para o amanhã (Estamos iniciando a Era do Reconhecimento) Presumo não haver dúvida sobre o fato de que o relacionamento sempre foi um fator
O novo enfoque da Avalia... O novo enfoque da Avaliação de Desempenho As grandes mudanças no ambiente empresarial e a necessidade de maior aproximação com os objetivos organizacionais alteram substancialmente, os procedimentos
Você está confortável?... Tudo bem, impossível negar que estar confortável é objetivo de todos, mas que é um grande risco não tenham dúvida! Um dos exemplos que utilizo para demonstrar
O pequeno empresário tem... Evidente que o título é apenas uma provocação. Ou, até mais do que isso, o título é uma grande inverdade. As grandes empresas defrontam-se com problemas que,
Precisamos da liderança? Muito se tem falado sobre o novo perfil da chefia e, em alguns casos, chega-se até a contestar a própria necessidade da sua existência. Isto em nome
Workshop de Feedback R... Dia 02 de Outubro próximo no Espaço Conhecer. Saiba mais.
TENDÊNCIAS EM AVALIAÇÃ... Uma realização de ENCONTRHO nas dependências da Qualicorp o Professor Bernardo Leite proferiu uma palestra de grande impacto sobre um tema de enorme relevancia para as atividades
Relacionamento e Gestão ... Palestra realizada pelo Prof. Bernardo Leite, no dia 09 de abril no Espaço Business, na Paulista, reuniu mais de 100 profissionais da área de Gestão de Pessoas