Feedback – Pedra de toque da gestão de pessoas

Optamos por tratar de um tema que é de importância estratégica para a Gestão de Pessoas e para os resultados de qualquer negócio.
A outra razão é porque o feed back é, também, uma das atividades mais complexas e difíceis da função de liderança. Mas dizer apenas, não gostei, ou não ficou bom, não pode ser considerado um feedback. É, apenas, a manifestação de uma opinião, mas não é um feedback. Para ser um feedback preciso dizer porque não gostei ou porque não ficou bom, orientando o melhor caminho.
Para ficar mais claro vamos começar comentando sobre a origem da palavra feed back.
“Retroalimentação” é a sua tradução literal e foi utilizada, inicialmente, pela Nasa na época em que os foguetes não eram tripulados, sim teleguiados.
Nessa situação os foguetes, já em sua trajetória para o alvo (a Lua, por exemplo), emitiam um sinal para a Nasa indicando seu posicionamento e sua direção. A Nasa interpretava esse sinal e, em FEED BACK, devolvia o sinal REORIENTANDO o foguete para atingir o alvo.
Esta situação aplica-se exemplarmente para a questão da comunicação e da sua compreensão: “pede-se um sinal de quem recebeu a mensagem reorientando-o para não errar o alvo!”.
Pode parecer simples, mas enfrentar a situação de dar o retorno aos subordinados sobre sua performance, que inclui pontos positivos e pontos negativos, não é, nunca, uma situação tranqüila.
O primeiro ponto a ser considerado é exatamente essa condição de que não é uma relação tranqüila. A prática do feed back é uma RUA DE DUAS MÃOS, pois se de um lado o subordinado estará em posição difícil ao ter que ouvir sobre suas deficiências (não é muito comum gostar disso) do outro lado nós também estaremos recebendo feed back. E se não estivermos preparados para ouvir comentários não muito agradáveis como esperar que o outro esteja?
Mas há um ponto que atenua esta questão: NÃO HÁ FEEDBACK NEGATIVO! Podem ocorrer relações de feed back mais difíceis, onde tratamos de questões mais delicadas, mas o objetivo é sempre positivo. Todo feedback tem o objetivo de orientação, educação. Nesse sentido nunca é negative. Lógico, o feedback pode ser mal utilizado.
Afinal, toda ação de feedback procura conduzir a ação para um redirecionamento objetivando o desenvolvimento do subordinado, da relação e dos próprios resultados organizacionais.
E todos nós sabemos que: “pior do que ser avaliado negativamente é não saber o que está acontecendo”.
No entanto, com toda a nobreza de objetivos é uma atividade complexa e, para tanto, é necessário preparar-se.
Não existe uma regra para praticar-se feedback.
Acredito firmemente que cada profissional deve adotar a forma que melhor se adapte ao seu estilo de conduta. Seguir roteiros podem constituir-se em uma “camisa de força” e restringir os melhores resultados.
No entanto, para orientação, gosto de apresentar, no curso, um “check list” para a ação de Feed Back:

Os dois primeiros passos são de preparação e planejamento (para serem realizados antes da reunião de feed back) e o último passo é para garantir os resultados esperados (acompanhar a execução do plano).

1- Levantar dados e informações: Municie-se de fatos! Nada melhor para esclarecer comportamentos que, geralmente, os nossos subordinados não percebem que praticam. Procure saber a opinião de outros profissionais da empresa sobre o subordinado. É importante que ele conheça a imagem que a empresa lhe tem.

2- Analise os dados, não se contente com os resultados sem análise e Agende e reserve um horário para a reunião de feed back (não atenda telefones ou outras pessoas). Dê foco e importância para esta situação. “Esse cuidado, às vezes, vale tanto quanto o próprio assunto em si!”.

3- Separe o enfoque emocional da reunião. É normal que aflore, por isso reforce o lado profissional e deixe claro o objetivo (de ambos). Faça-o perceber que Você tem dados e que se preparou para a reunião. Se precisar pergunte: “o que você queria com essa atitude?”. Questione as razões e poderá ter uma boa oportunidade de checar percepções. Aliás, o feed back é um jogo de percepções (auto e hetero percepção).

4- Estabeleçam alternativas e um Plano de Ação conjunto (isto é, de comum acordo) e não se esqueça do FOCO, esta é uma palavra mágica. Trabalhe com dados e prazos. E, principalmente, COLOQUE TUDO NO PAPEL Releiam os compromissos e definam pontos de controle.

5- Resultados! Esse é o objetivo! Esta é uma relação de compromisso, portanto acompanhe. O alvo prioritário é o funcionário. A empresa virá como conseqüência dos resultados da ação. E Você também ganhará muito com isso.

Bernardo Leite Moreira
Consultor, palestrante, especialista em comportamento organizacional.
bernardo@bernardoleite.com.br

Similar Articles

Relacionamento > Diferenc... Relacionamento > Diferencial para o amanhã (Estamos iniciando a Era do Reconhecimento) Presumo não haver dúvida sobre o fato de que o relacionamento sempre foi um fator
PESQUISA: TENDÊNCIAS DE ... PARTICIPE DA PESQUISA E RECEBA OS RESULTADOS DIRETAMENTE
1- Treinamento: Comunica... Dia 02 de abril: Treinamento: Feedback e Comunicação Dia 03 de abril: Workshop Avaliação de Desempenho
Depoimentos do treinament... Depoimentos referente avaliação do treinamento de Avaliação de Desempenho e práticas de Feedback realizada pelo Idepro nas dependências da ABTD
De perto ninguém é norm... Texto referente ao 40o. Capítulo do novo Livro do Prof. Bernardo Leite: Será que minha Empresa é assim? Está na editora para lançamento em breve.
Criando Cultura de Feedba... A Cultura de Feedback pode ser considerada uma revolução nas relações internas e na dinãmica de desenvolvimento profissional nas Organizações
O novo enfoque da Avalia... O novo enfoque da Avaliação de Desempenho As grandes mudanças no ambiente empresarial e a necessidade de maior aproximação com os objetivos organizacionais alteram substancialmente, os procedimentos
Você está confortável?... Tudo bem, impossível negar que estar confortável é objetivo de todos, mas que é um grande risco não tenham dúvida! Um dos exemplos que utilizo para demonstrar
Workaholic X Worklover A diferença entre estes dois “conceitos” ou “estado de espírito” se deve, em alguma medida, ao clima do local de trabalho
Inovação Aplicada ̵... Alguns temas são diferenciais na gestão de negócios transformando-se em verdadeiros fatores chave de sucesso. Um desses temas é a Comunicação que, infelizmente costumamos dizer, é um
Acontece em 25/06 O curso “Inovação, empreendedorismo e mudanças em T&D” – Uma parceria com a ABTD. O curso contou com a participação de mais de 50 profissionais de diversas
Empreender palestra Empreendedorismo Coorporativo: ( reconhecida como uma das melhores palestras sobre o tema no mercado). Síntese: Fator inerente aos tempos atuais de busca de diferenciais competitivos e do

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *