Integração e Comunicação

 

 

INTEGRAÇÃO E COMUNICAÇÃO

(combustíveis do “motor” empresarial)

            Estes dois fatores são determinantes para a geração de riquezas nas organizações. A comunicação é elemento de transmissão de diretrizes, dados e toda uma série de informações que possibilitam o resultado, é matéria prima, é orientação é definição de alvos. É interessante comparar o sistema circulatório do organismo humano com o sistema de comunicação na organização. Da mesma maneira que a falta da circulação do sangue em algum órgão do organismo humano provoca danos por vezes irreparáveis, na organização empresarial a falta da comunicação pode ter o mesmo efeito. Em suma a comunicação é o canal de toda ação empresarial. Por exemplo, é a ferramenta básica para a atuação de qualquer nível de supervisão.

Infelizmente, apesar de toda essa importância o exercício adequado da comunicação ainda é um jogo de boas intenções. A questão inicial desse ponto refere-se ao pouco entendimento da sua real definição. A palavra Comunicação subentende TORNAR COMUM a mensagem, isto é, fazer com que o receptor da minha mensagem entenda-a da mesma maneira que eu, o emissor a entenda, portanto, seja comum a nós dois. Por isso qualquer mensagem afixada nos quadros de aviso das empresas na grande maioria dos casos não é comunicação. Só o será se a compreensão de quem a ler for igual à pretendida por quem a emitiu, o que acontece em casos muito raros, ocasionando os mais diversos dissabores possíveis.

Fator agravante ao que já expusemos é o fato de que, hoje, é necessário se dar mais importância ao sentido horizontal da comunicação. Aquela que ultrapassa as fronteiras departamentais e os próprios limites da empresa, obedecendo à visão sistêmica, enriquecendo o processo e agregando valor aos resultados.

Por isso costumo enfatizar que, “no mínimo 100% das empresas tem problemas de comunicação!”.

Por vezes a empresa se preocupa muito com a comunicação vertical (chefe e subordinado), mas se esquece da estratégica importância do sentido horizontal da comunicação (entre os departamentos).

Complementarmente ás dificuldades de comunicação encontra-se os problemas de integração, entendidos como a dissonância que ocorre entre profissionais, áreas, departamentos, diretorias e os objetivos dentro da Empresa.

Como se pode perceber os problemas de integração são particularmente destrutivos da produtividade desviando o alcance dos resultados.

Integração é coerência de objetivos, é conflito profissional, é procura constante de melhoria e é definição de alvo. E definição de alvo é outra das carências clássicas dos diversos setores da organização. Por exemplo, quando solicitamos que nos digam qual é o objetivo (alvo) da área de Treinamento nas empresas normalmente ouvimos: Treinar pessoas.

Mas não, o alvo de Treinamento não é treinar pessoas. Treinar pessoas é o que treinamento faz, é a sua atividade, o meio para alcançar o resultado, que poderíamos consignar, de maneira simples, como: Pessoas Aptas (aos desafios e necessidades da Organização).

Em outro exemplo, para melhor esclarecimento, agora com a área de Manutenção de ar condicionado podemos afirmar que seu alvo não é consertar ar condicionado. Isso é o que se faz para manter o seu objetivo que é: Ar Condicionado funcionando.

No entanto a área de Manutenção de ar condicionado é medida, dentro da empresa, pelo tempo que gasta consertando, quando deveria ser medida pelo tempo que não gasta consertando. Este é o viés oficial das organizações que, muitas vezes, conduz para alvos equivocados.

Salientamos, ainda, que o fator de integração não deve ser medido pelo grau de sociabilidade das pessoas na organização. Nem sempre grande sociabilidade é sinônimo de integração. Ás vezes é justamente o contrário!

Portanto a geração da integração depende de alvo, de objetivos definidos e consensados em razão do objetivo maior, o resultado global da organização.

É neste ponto que quero ressaltar uma das ferramentas de grande efetividade para a geração de integração objetiva e eficaz, com grande repercussão na produtividade e no alcance de resultados: a relação Clientes e Fornecedores internos na Empresa. Afinal toda empresa é composta de processos, que se sobrepõem, seguem paralelos, trocam resultados e, enfim, caminham para o resultado final, dentro do princípio de cadeia de agregação de valor.

Isso quer dizer que a relação de clientes e fornecedores internos é uma situação absolutamente natural e desejada. É extremamente oportuno, para qualquer área e para qualquer profissional, contar com um cliente interno que oriente quanto aos resultados, que alerte quando necessário e que não permita que meu setor fique obsoleto. Não é para isso que estamos dentro da empresa? Não é para isso que fomos contratados?

Já implantamos a relação  cliente e fornecedores internos em várias empresas e as mudanças extrapolaram a questão técnica e operacional abrangendo os mais variados aspectos de relacionamento, integração e comunicação. Em suma, sem objetivos definidos e sem medição para o monitoramento do desenvolvimento qualquer ação para a integração de esforços e resultado pode ser mais um jogo de boas intenções!

Atentem para isso! Não basta que nossos colaboradores dirijam-se à nossa Empresa para trabalhar. Trabalhar, em muitos casos, pode significar atender às expectativas! É imperativo que nossos colaboradores pretendam expandir expectativas, para o negócio e para si próprios. Esse é o movimento natural da humanidade. O universo está em constante expansão, para manter-se coeso e vivo. Esse é, portanto, o nosso destino. Perpetuar-se através da expansão contínua!!!

E para as empresas a Integração e a Comunicação são fatores básicos e prioritários para fundamentar o alicerce do desenvolvimento.

 

Bernardo Leite Moreira

Similar Articles

PRÉ LANÇAMENTO DO NOVO ... SERÁ QUE A MINHA EMPRESA É ASSIM? Esse é um livro que trata do comportamento humano. Sem dúvida procura dar foco nos aspectos do Comportamento Organizacional, mas
Treinamento on-line ̵... Treinamento on-line em 3 módulos (dias 23, 26 e 30 de novembro / horário de 9h ás 11:40min)
Depoimentos do treinament... Depoimentos referente avaliação do treinamento de Avaliação de Desempenho e práticas de Feedback realizada pelo Idepro nas dependências da ABTD
De perto ninguém é norm... Texto referente ao 43o. Capítulo do novo Livro do Prof. Bernardo Leite: Será que minha Empresa é assim? Está na editora para lançamento em breve.
Criando Cultura de Feedba... A Cultura de Feedback pode ser considerada uma revolução nas relações internas e na dinãmica de desenvolvimento profissional nas Organizações
Relacionamento > Diferenc... Relacionamento > Diferencial para o amanhã (Estamos iniciando a Era do Reconhecimento) Presumo não haver dúvida sobre o fato de que o relacionamento sempre foi um fator
O novo enfoque da Avalia... O novo enfoque da Avaliação de Desempenho As grandes mudanças no ambiente empresarial e a necessidade de maior aproximação com os objetivos organizacionais alteram substancialmente, os procedimentos
Você está confortável?... Tudo bem, impossível negar que estar confortável é objetivo de todos, mas que é um grande risco não tenham dúvida! Um dos exemplos que utilizo para demonstrar
Gestão por Competência Síntese: Este tema tem norteado grande parte das ações na Gestão de Recursos Humanos das organizações. No entanto reconhecemos uma simplificação excessiva no enfoque por parte de
Coaching em Grupos COACHING EM GRUPOS Diferenças e semelhanças Devia esta informação para meus alunos, treinandos, clientes e mercado, para esclarecer uma atividade que, a exemplo do coaching personalizado, venho
O poder da visão Este é um tema que deriva da nossa experiência nas atividades de Coaching e no desenvolvimento de Empreendedores. Para o Empreendedor a visão é razão de vida
Teoria da Conexão –... Parece coisa de internet, não é? Realmente é a primeira lembrança da expressão.  “Estamos conectados” Mas é muitíssimo mais antiga que a internet, que a informática ou outra
O funil da Avaliação de...     Você consegue mensurar os resultados da sua Avaliação de Desempenho? A Metodologia desenvolvida por Bernardo Leite direciona os principais passos para deixá-la mais eficaz.