No princípio era o Khaos

O titulo não é uma expressão exclusiva da mitologia Grega, ou de uma alusão ao “Big Bang”, por isso tomo o conceito, por empréstimo, para remeter ao raciocínio de expansão e desenvolvimento que preciso dedicar á EMOÇÃO nas relações humanas, principalmente no ambiente organizacional. A nossa proposição é de fazer uma análise de como foi e como ficará a relação da Empresa com a emoção. Fator residente e diferencial dos seres humanos. Sem esquecer que as organizações só se desenvolvem por influência dos seres humanos que as compõem.

Evidentemente não estou afirmando que a Emoção aparece para resolver a confusão que, normalmente, o Caos provoca. Na realidade o mais comum é que a Emoção provoque alguma confusão.

Mas nem por isso podemos tolher o que é o mais representativo sinal de humanidade da nossa espécie animal. A espécie Homo Sapiens, ou Ser Humano como substantivo.

Mas Ser Humano é também um adjetivo, isto é, espécie dotada de características próprias e altamente diferenciada como: inteligência criativa, linguagem sofisticada que ainda é identificado como bondoso, complacente, compreensivo, enfim, humano. Um mamífero,  espécie animal com características próprias. E em grande parte porque tem emotividade. Afinal, como dizemos: ele é uma boa pessoa, muito humana! Não é?

Além do que a sensibilidade emocional é, sem dúvida, uma manifestação muito especial. Imagino que muitas pessoas já se sentiram emocionadas ao ouvir uma determinada música, às vezes até ás lágrimas. É fantástica essa sensação! Mas, a emotividade, por incrível que possa parecer, não é bem aceita de forma geral.

Retornando ao alvo da organização empresarial que ressalto que, no início da sua atividade, privilegiava a organização e o controle como forma de manter a disciplina e a ordem na comunidade.  Fatores emocionais e de relacionamento mais próximos eram considerados totalmente inapropriados nesse ambiente. O tempo passou, mas essa realidade permanece até hoje, evidentemente com menor intensidade do que no inicio.

Tudo porque a emoção, de forma geral, sempre foi considerada inadequada como fenômeno comportamental, vista como irracional e disfuncional. Afinal, o comportamento nas empresas tinha que ser lógico, previsível e objetivo, ou seja, um comportamento profissional. Portanto ser profissional significa não demonstrar emoções. Afinal emoções são fenômenos inconvenientes que podem causar conflitos.

Infelizmente no estudo da Psicologia a emoção também sofreu alguns revezes, pois não era considerada “científica” e só recentemente passa a ter um tratamento mais próximo dos estudos e análises da área. Antonio Damasio, (famoso neurocientista e pesquisador), um dos proeminentes estudiosos da emoção, tem uma frase interessante que é: “Toda e qualquer expressão racional está baseada em emoções”.

O curioso é que o aprofundamento das emoções no ambiente empresarial começa a surgir por razões indiretas. Por exemplo, um estudo sobre a influencia da iluminação na produtividade de uma linha de produção levantou resultados positivos muito significativos. Refiro-me á experiência de Hawthorne (Elton Mayo) quando se percebeu que o aumento da produtividade constatada não se devia á intensidade da luz, mas á atenção que estava se dedicando àquele ambiente de trabalho. As pessoas sentiram-se atendidas. Isso foi uma surpresa! Mas melhorava os resultados.

E, apesar das resistências (“deixem as emoções na portaria”), a empresa passa, gradativamente, a dar mais importância a esses fatores por meio de desenvolvimento de lideranças, programas de qualidade de vida, metas sociais e outras iniciativas. Mas, como pensar nesta questão para um futuro próximo?

O incremento da utilização da tecnologia, tanto nos aspectos operacionais como decisórios por conta do tratamento digital dos dados e com a velocidade da comunicação digital nos defronta com algumas restrições no nível de contribuição e no relacionamento do ser humano com os resultados do trabalho. Extinguem-se alguns cargos, criam-se outros com exigências de conhecimentos tecnológicos, o sistema decide acima das pessoas, o relacionamento poderá ser mais restrito, os controles mais severos, sistemas biométricos e de controle biológico, em nome da segurança e equilíbrio. Enfim, será que estaremos nos conduzindo a um trabalho menos humanizado?

Como podemos administrar essas questões e envolver as pessoas em suas diversas classes sociais para que nossa humanidade continue humana. Será que podemos nos conduzir para uma sociedade de castas? Lembre-se de 1984 (George Orwell).

 Esses são os desafios que exigem nossas considerações.

Portanto….

Similar Articles

Eficiência X Eficácia 1) EFICIÊNCIA é: fazer certo; o meio para se atingir um resultado; é a atividade, ou, aquilo que se faz. 2) EFICÁCIA é: a coisa certa; o
E Vc, o que pensa? Nova série de vídeos (10 a 15 m) sobre temas em Gestão de Pessoas com abordagem que levanta questões e reflexões.
Breve reflexão sobre o p... Capítulo do livro "Será que minha empresa é assim"? Lançado em ebook e com lançamento presencial para o 3o. trimestre de 202
Porque feedback é preser... PORQUE FEEDBACK É FATOR DE SAÚDE MENTAL Do estigma da crítica a protetor da saúde mental Interessante comentar, rapidamente, como surgiu esse tema. Como muitas outras coisas
Feedback na era digital A IMAGEM É A MENSAGEM Sem dúvida não podemos continuar fazendo a nossa comunicação e oferecendo feedback da forma como fazíamos.Tudo evolui, principalmente quando somos influenciados por
Apresentação: Implantan... Apresentação no CBTD 22
PRÉ LANÇAMENTO DO NOVO ... SERÁ QUE A MINHA EMPRESA É ASSIM? Esse é um livro que trata do comportamento humano. Sem dúvida procura dar foco nos aspectos do Comportamento Organizacional, mas
Treinamento on-line ̵... Treinamento on-line em 3 módulos (dias 23, 26 e 30 de novembro / horário de 9h ás 11:40min)
Depoimentos do treinament... Depoimentos referente avaliação do treinamento de Avaliação de Desempenho e práticas de Feedback realizada pelo Idepro nas dependências da ABTD
De perto ninguém é norm... Texto referente ao 43o. Capítulo do novo Livro do Prof. Bernardo Leite: Será que minha Empresa é assim? Está na editora para lançamento em breve.
Criando Cultura de Feedba... A Cultura de Feedback pode ser considerada uma revolução nas relações internas e na dinãmica de desenvolvimento profissional nas Organizações
Relacionamento > Diferenc... Relacionamento > Diferencial para o amanhã (Estamos iniciando a Era do Reconhecimento) Presumo não haver dúvida sobre o fato de que o relacionamento sempre foi um fator
O novo enfoque da Avalia... O novo enfoque da Avaliação de Desempenho As grandes mudanças no ambiente empresarial e a necessidade de maior aproximação com os objetivos organizacionais alteram substancialmente, os procedimentos
Depoimentos sobre o curso... Obs. Omitimos os nomes dos depoentes por não termos solicitado a autorização para divulgação via site. ” O treinamento foi uma rica troca de experiências e um
Você está confortável?... Tudo bem, impossível negar que estar confortável é objetivo de todos, mas que é um grande risco não tenham dúvida! Um dos exemplos que utilizo para demonstrar
O pequeno empresário tem... Evidente que o título é apenas uma provocação. Ou, até mais do que isso, o título é uma grande inverdade. As grandes empresas defrontam-se com problemas que,
Entrevista de Bernardo Le... O Feedback como deve ser Como construir na empresa uma cultura que compreenda a real importância do feedback e saiba aplicá-lo de maneira adequada no dia a
Curso de Feedback e Comun... Dia 30 de Setembro / 09 na Sede da ABTD – Uma realização IDEPRO.Clique aqui para mais informações. Os participantes receberão um exemplar do livro “Dicas de Feedback”
Revisão da Avaliação d...
Palestra no Instituto de ... Dia 08 de abril, Bernardo Leite estará no Instituto do Biociências da USP realizando a palestra “O Relacionamento Interpessoal Move Montanhas”.

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *