Tudo é teatro

TUDO É TEATRO!

Adoro essa expressão (de Augusto Boal, famoso teatrólogo e escritor), que reflete, com muita propriedade, as relações empresariais. E as relações íntimas e pessoais, também, sem dúvida.

Mas retomo a uma expressão que utilizo com frequência de que “todo empresário é um bom ator” para reforçar esse posicionamento como norma de conduta nas organizações.

De forma geral sempre se está “representando” um papel.

Poderia dizer que temos “várias personalidades”. Mas as “personas” não pressupõe a multiplicidade de personalidades e sim de comportamentos.

Indiscutivelmente somos forçados a manter diferentes comportamentos em diferentes graus de exigência social. Não podemos nos comportar de mesma maneira em todos os ambientes.

Esse é um fator de adaptação, característica essencial e diferencial da raça humana, que tem efetiva responsabilidade pela perpetuidade da espécie.

Então, exercemos uma ação de adaptação que podemos chamar de “efeito camaleão”, isto é, nos tornamos parecidos com o meio em que estamos.

Por exemplo: no ambiente profissional nos é exigido maior concentração, foco e, na maior parte dos casos, certa contenção de ânimo e sociabilidade.

Se estivermos entre amigos adotamos, normalmente, um comportamento mais descontraído e, até, brincalhão. Por vezes pessoas que nos conhecem em um desses ambientes estranham o nosso comportamento no outro ambiente.

Na família podemos ser mais autênticos. E assim em outros ambientes em nome da necessidade de adaptação e aceitação. Sim este é outro componente, a aceitação. Frequentemente nos comportamos de forma a sermos aceitos pelas personagens de um determinado ambiente. Isso é, “jogamos o Jogo”.

Sempre estamos usando máscaras. Em princípio não posso emprestar apenas um sentido negativo para isso. É, frequentemente, uma questão de adaptação ás circunstâncias. Afinal somos sobreviventes não porque somos mais fortes, mas porque somos mais adaptáveis.

E então, quem somos? E como está a nossa aceitação de nós mesmos?

Sem dúvida não temos várias personalidades (pelo menos não normalmente).

Somos, sempre, a mesma pessoa. Essa constatação é determinante para que possamos interpretar vários papéis no “teatro da vida”, mantendo nossos princípios e valores que estabelecem nossa individualidade. Essa consciência, mesmo com a necessidade de adaptação aos diferentes ambientes, nos permite manter a coerência e a firmeza para enfrentar adversidades. Esse é um ponto fundamental na aceitação da nossa individualidade e, como é esperado, de nossas qualidades e defeitos. Só poderemos assumir uma postura mais segura e objetiva se pudermos aceitar-nos. Afinal, conhecer necessidades é o primeiro passo para o desenvolvimento.

Nascemos sem ela (a máscara), mas com o tempo e o enfrentamento da vida vamos nos aproximando da necessidade de nos cobrirmos. Um pouco por necessidade de adaptação, um tanto por comodidade do anonimato e outro tanto para proteção. Apenas proteção. Às vezes de nós mesmos. Outras vezes, além de nossa proteção, servem para proteger os outros.

Afinal o que aconteceria se formos muito sinceros quando nos perguntam: E então, como Você está? Pois é!

Mas é muito interessante observar os diversos tratamentos dessa situação.

Clarice Lispector em trecho do seu texto – Persona: Escolher a própria máscara é o primeiro gesto voluntário humano. E solitário. Mas quando enfim se afivela a máscara daquilo que se escolheu para representar-se e representar o mundo, o corpo ganha uma nova firmeza, a cabeça ergue-se altiva como a de quem superou um obstáculo. É a liberdade horrível de não ser. É a hora da escolha”.

Maravilhosa Clarice que estampa, com terrível objetividade, a realidade nua.

Tudo é teatro então. A máscara tem sua razão, mas temos que tomar muito cuidado para que ela não se torne nossa “camisa de força”. Afinal não podemos esconder, sob a máscara, as nossas angústias, desalentos e outros lamentos esperando que dessa forma a solução vá aparecer (ou não vá incomodar).

É preciso exercer uma vigilância de grande esforço porque temos uma capacidade inesgotável de nos enganar.

Como exemplo, uma obra prima de Fernando Pessoa.

 “O poeta é um fingidor. Finge tão completamente, que chega a fingir que é dor, a dor que deveras sente”! 

Fantástico!!!

Pois é, também fazemos isso!

Bernardo Leite

Similar Articles

Eficiência X Eficácia 1) EFICIÊNCIA é: fazer certo; o meio para se atingir um resultado; é a atividade, ou, aquilo que se faz. 2) EFICÁCIA é: a coisa certa; o
E Vc, o que pensa? Nova série de vídeos (10 a 15 m) sobre temas em Gestão de Pessoas com abordagem que levanta questões e reflexões.
Breve reflexão sobre o p... Capítulo do livro "Será que minha empresa é assim"? Lançado em ebook e com lançamento presencial para o 3o. trimestre de 202
Porque feedback é preser... PORQUE FEEDBACK É FATOR DE SAÚDE MENTAL Do estigma da crítica a protetor da saúde mental Interessante comentar, rapidamente, como surgiu esse tema. Como muitas outras coisas
Feedback na era digital A IMAGEM É A MENSAGEM Sem dúvida não podemos continuar fazendo a nossa comunicação e oferecendo feedback da forma como fazíamos.Tudo evolui, principalmente quando somos influenciados por
Apresentação: Implantan... Apresentação no CBTD 22
PRÉ LANÇAMENTO DO NOVO ... SERÁ QUE A MINHA EMPRESA É ASSIM? Esse é um livro que trata do comportamento humano. Sem dúvida procura dar foco nos aspectos do Comportamento Organizacional, mas
Treinamento on-line ̵... Treinamento on-line em 3 módulos (dias 23, 26 e 30 de novembro / horário de 9h ás 11:40min)
Depoimentos do treinament... Depoimentos referente avaliação do treinamento de Avaliação de Desempenho e práticas de Feedback realizada pelo Idepro nas dependências da ABTD
De perto ninguém é norm... Texto referente ao 43o. Capítulo do novo Livro do Prof. Bernardo Leite: Será que minha Empresa é assim? Está na editora para lançamento em breve.
Criando Cultura de Feedba... A Cultura de Feedback pode ser considerada uma revolução nas relações internas e na dinãmica de desenvolvimento profissional nas Organizações
Relacionamento > Diferenc... Relacionamento > Diferencial para o amanhã (Estamos iniciando a Era do Reconhecimento) Presumo não haver dúvida sobre o fato de que o relacionamento sempre foi um fator
O novo enfoque da Avalia... O novo enfoque da Avaliação de Desempenho As grandes mudanças no ambiente empresarial e a necessidade de maior aproximação com os objetivos organizacionais alteram substancialmente, os procedimentos
Depoimentos sobre o curso... Obs. Omitimos os nomes dos depoentes por não termos solicitado a autorização para divulgação via site. ” O treinamento foi uma rica troca de experiências e um
Você está confortável?... Tudo bem, impossível negar que estar confortável é objetivo de todos, mas que é um grande risco não tenham dúvida! Um dos exemplos que utilizo para demonstrar
Treinamento: FEEDBACK �... Data: 28 de setembro de 2017  – das 8:30 ás 18:00hs Local: Rua Cunha, 51 (a duas quadras do Shopping e Metrô Santa Cruz) Investimento: R$ 880,00
Recrutamento, o primo pob... O processo seletivo nas organizações é uma das atividades de RH de maior valor agregado aos resultados do negócio. É a porta de entrada dos insumos de
O funil da Avaliação de...     Você consegue mensurar os resultados da sua Avaliação de Desempenho? A Metodologia desenvolvida por Bernardo Leite direciona os principais passos para deixá-la mais eficaz.    
Sete regras do Feedback Há uma prática convencional no mercado empresarial de se dar feedback após a tabulação dos dados da Avaliação de Desempenho. Evidente que a eficácia do feedback não
Empreendedorismo Em primeiro lugar, ressalto a importância do assunto na aplicação das características do perfil dentro das organizações. Entendo como extremamente oportuno observar e compreender melhor esta característica