A sinergia na Empresa

Ninguém é uma ilha! Esta frase retrata uma realidade incontestável. Cada vez mais percebemos a efetiva interdependência para alcançar resultados.
Nos subsistemas de Recursos Humanos ocorre o mesmo e esta afirmação também é fator de sinergia e resultados! Todos os subsistemas atuam conjuntamente para o resultado final, isto é, o crescimento sustentável e o desenvolvimento dos negócios da organização. Sem esquecer que qualquer desenvolvimento passa, inevitavelmente, pelo desenvolvimento dos profissionais que “fazem” a Empresa.
O desenvolvimento em si é, portanto, o próprio resultado e atua, em estreita cumplicidade, com dois outros subsistemas fundamentais:
Em primeiro lugar o Recrutamento e Seleção de Pessoal que por ser a porta de entrada de novos recursos para a organização atende, entre outros objetivos, á crescente necessidade de administrar a obsolescência do conhecimento tão comum em tempos atuais de rápida obsolescencia, buscando, no mercado, esse conhecimento.
É também, no R&S que fundamentamos as necessidades da empresa em termos de expectativas e competências da organização para a sua realização. Este fator vai subsidiar todos os outros subsistemas da Empresa.
Em seguida e talvez de maneira ainda mais próxima, está o subsistema de Avaliação de Desempenho que tem recebido atualmente a denominação de “Gestão do Desempenho” reforçando sua atuação efetiva no processo de melhoria em geral. Esse é o seu objetivo: medir para melhorar. Por isso a A.D. dirige-se objetivamente á função de monitoramento constituindo-se em indicador de primeira grandeza no processo de gestão das organizações.
Hoje, além dos fatores tradicionais de identificar a performance individual propiciando uma efetiva ação de feedback (elemento essencial do desenvolvimento) e de definição de um Plano de Ação a A.D. assume uma postura mais abrangente e estratégica quando reforça seu posicionamento nas análises globais dos resultados. Daremos apenas dois exemplos para demonstrar esse raciocínio:
– uma análise comparativa da avaliação individual do colaborador com a média de avaliação da empresa (média geral e por fatores de avaliação) empresta singular objetividade para a análise dos dados.
– da mesma forma uma análise comparativa da média da avaliação geral do departamento (média geral e por fatores) possibilita identificar dados importantes da gestão do departamento consignando-se quase como uma autoavaliação do gestor, contribuindo para a sua melhoria. Essa análise geral ainda permite definir-se prioridades do gestor, principalmente em equipes numerosas.
E esses resultados podem tornar-se uma boa contribuição para o Levantamento de Necessidades de Treinamento (LNT)
Em suma, a A.D. pode ser um excelente indicador da efetividade das ações de desenvolvimento na organização, funcionando de maneira similar ao PDCA, além de apresentar resultados compatíveis á uma pesquisa de posicionamento de gestão.
Essa relação sinérgica é importante para resultados mais consistentes, mas há outra influencia determinante no contexto. Refiro-me á questão da “cultura organizacional” que se reveste em fator de prontidão e predisposição ao processo de desenvolvimento. É fator de estratégia de gestão. Um pensamento de Drucker reforça esse enfoque quando ele afirma que “nenhuma empresa tem programas de desenvolvimento. Todas têm programas de autodesenvolvimento”!
Não há resultados isolados. É na somatória de contribuições em uma verdadeira “cadeia de valor” que efetivamos nossa realização. Nunca sozinhos!

Similar Articles

O novo enfoque da Avalia... O novo enfoque da Avaliação de Desempenho As grandes mudanças no ambiente empresarial e a necessidade de maior aproximação com os objetivos organizacionais alteram substancialmente, os procedimentos
O novo Líder O “novo” Líder O título não se refere á técnicas propriamente ditas, mas a postura do líder frente ás novas necessidades. E quais são as novas necessidades?
Revisão da Avaliação d...
CBTD 2008 – Revendo... Faça o “download” da apresentação do Prof. Bernardo Leite no Congresso Brasileiro de Treinamento e Desenvolvimento onde foi realizada uma análise do porque os resultados dos treinamentos comportamentais não atendem ás
A gestão do conhecimento... Com freqüência nos defrontamos com novas teorias que são, apenas, “remakes” de antigos pressupostos. Mas não é, do meu ponto de vista, o que acontece com a
Matéria de 1991 – ... Esta matéria foi veiculada no Diário do Comércio de 26/09/1991 sobre o tema: Suporte das mudanças de organização da empresa. Isto é, qual o papel do treinamento no processo de mudanças?

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *