A sinergia na Empresa

Ninguém é uma ilha! Esta frase retrata uma realidade incontestável. Cada vez mais percebemos a efetiva interdependência para alcançar resultados.
Nos subsistemas de Recursos Humanos ocorre o mesmo e esta afirmação também é fator de sinergia e resultados! Todos os subsistemas atuam conjuntamente para o resultado final, isto é, o crescimento sustentável e o desenvolvimento dos negócios da organização. Sem esquecer que qualquer desenvolvimento passa, inevitavelmente, pelo desenvolvimento dos profissionais que “fazem” a Empresa.
O desenvolvimento em si é, portanto, o próprio resultado e atua, em estreita cumplicidade, com dois outros subsistemas fundamentais:
Em primeiro lugar o Recrutamento e Seleção de Pessoal que por ser a porta de entrada de novos recursos para a organização atende, entre outros objetivos, á crescente necessidade de administrar a obsolescência do conhecimento tão comum em tempos atuais de rápida obsolescencia, buscando, no mercado, esse conhecimento.
É também, no R&S que fundamentamos as necessidades da empresa em termos de expectativas e competências da organização para a sua realização. Este fator vai subsidiar todos os outros subsistemas da Empresa.
Em seguida e talvez de maneira ainda mais próxima, está o subsistema de Avaliação de Desempenho que tem recebido atualmente a denominação de “Gestão do Desempenho” reforçando sua atuação efetiva no processo de melhoria em geral. Esse é o seu objetivo: medir para melhorar. Por isso a A.D. dirige-se objetivamente á função de monitoramento constituindo-se em indicador de primeira grandeza no processo de gestão das organizações.
Hoje, além dos fatores tradicionais de identificar a performance individual propiciando uma efetiva ação de feedback (elemento essencial do desenvolvimento) e de definição de um Plano de Ação a A.D. assume uma postura mais abrangente e estratégica quando reforça seu posicionamento nas análises globais dos resultados. Daremos apenas dois exemplos para demonstrar esse raciocínio:
– uma análise comparativa da avaliação individual do colaborador com a média de avaliação da empresa (média geral e por fatores de avaliação) empresta singular objetividade para a análise dos dados.
– da mesma forma uma análise comparativa da média da avaliação geral do departamento (média geral e por fatores) possibilita identificar dados importantes da gestão do departamento consignando-se quase como uma autoavaliação do gestor, contribuindo para a sua melhoria. Essa análise geral ainda permite definir-se prioridades do gestor, principalmente em equipes numerosas.
E esses resultados podem tornar-se uma boa contribuição para o Levantamento de Necessidades de Treinamento (LNT)
Em suma, a A.D. pode ser um excelente indicador da efetividade das ações de desenvolvimento na organização, funcionando de maneira similar ao PDCA, além de apresentar resultados compatíveis á uma pesquisa de posicionamento de gestão.
Essa relação sinérgica é importante para resultados mais consistentes, mas há outra influencia determinante no contexto. Refiro-me á questão da “cultura organizacional” que se reveste em fator de prontidão e predisposição ao processo de desenvolvimento. É fator de estratégia de gestão. Um pensamento de Drucker reforça esse enfoque quando ele afirma que “nenhuma empresa tem programas de desenvolvimento. Todas têm programas de autodesenvolvimento”!
Não há resultados isolados. É na somatória de contribuições em uma verdadeira “cadeia de valor” que efetivamos nossa realização. Nunca sozinhos!

Similar Articles

Criando Cultura de Feedba... A Cultura de Feedback pode ser considerada uma revolução nas relações internas e na dinãmica de desenvolvimento profissional nas Organizações
Relacionamento > Diferenc... Relacionamento > Diferencial para o amanhã (Estamos iniciando a Era do Reconhecimento) Presumo não haver dúvida sobre o fato de que o relacionamento sempre foi um fator
O novo enfoque da Avalia... O novo enfoque da Avaliação de Desempenho As grandes mudanças no ambiente empresarial e a necessidade de maior aproximação com os objetivos organizacionais alteram substancialmente, os procedimentos
Você está confortável?... Tudo bem, impossível negar que estar confortável é objetivo de todos, mas que é um grande risco não tenham dúvida! Um dos exemplos que utilizo para demonstrar
Razões do Feedback Em épocas de alta competitividade quando desenvolvimento e retenção de talentos são condições até de sobrevivência, algumas ações organizacionais tornam-se cruciais para “ganhar esse jogo”! Costumo afirmar
A situação atual da Ava... Hoje, uma quantidade significativa de empresas tem questionado e algumas até tentam abandonar a aplicação tradicional da Avaliação de Desempenho. Já houve a tentativa de eliminação da
Workday: Comunicação e ... Em parceria com o Portal Consultores.com, acontece em 10.06 mais uma turma do curso “Comunicação e Feedback”. COMUNICAR É SABER OUVIR E DAR FEEDBACK!! Ao final do
Precisamos da liderança? Muito se tem falado sobre o novo perfil da chefia e, em alguns casos, chega-se até a contestar a própria necessidade da sua existência. Isto em nome
A Comunicação como Ferr... Publicado em 25/06/2012 Bernardo Leite, palestrante e psicólogo especializado em Administração de Empresas, fala sobre a importância e as dificuldades de Comunicação dentro das empresas. Contato: assessoria@bernardoleite.com.br

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *