Nem aplausos nem vaias. Um silencio de morte.

NEM APLAUSOS NEM VAIAS, UM SILÊNCIO DE MORTE

O título deste texto é um trecho da música Cabaré, de João Bosco e Aldir Blanc e reflete, com propriedade, uma situação muito comum e extremamente danosa para o equilíbrio emocional em geral.

O sentimento de ser ignorado e, ainda pior, rejeitado, sempre transitou entre algumas das mazelas mais frequentes dos relacionamentos.

Paralelamente comenta-se sobre o fato de que a Depressão é o Mal do Século. Sem dúvida a Depressão é uma enfermidade complexa, multicausal e que apresenta sintomas abrangentes, tanto comportamentais como fisiológicos que acomete uma significativa quantidade de seres humanos, infelizmente em manifestação crescente.

A sensação de ser ignorado é, também, um mal disseminado que atinge pessoas em diversas faixas etárias, interferindo no seu comportamento e equilíbrio mental, por vezes marcando suas posturas frente a vida e seus desafios. Importante frisar que a rejeição é, inclusive, uma causa muito frequente nos traumas de infância ocasionando sérios comprometimentos na idade adulta. Este ponto tem mais importância porque os traumas de infância acompanham as pessoas pela vida toda.

Há sempre uma enorme expectativa das pessoas em serem reconhecidas e apreciadas pelos outros. Este ponto ganha destaque quando nos referimos a figuras marcantes da nossa vida.

A palavra Prezar, derivado do Latim “pretiare” significa: dar valor, apreciar, considerar. Portanto os prefixos de diminuição ou negação formam as palavras: desprezar e menosprezar que refletem a ausência do apreciar.

Interessante notar que até podemos viver (não muito bem, é verdade) sem elogios, mas é significativamente mais sério quando não recebemos nenhuma atenção, ou seja, nem elogios e nem críticas. É como se não existíssemos (por isso o título)

Como já comentei em outros textos alguns funcionários até se sentem bem quando recebem bronca de seus chefes. Algo como “puxa ele falou comigo”, ou seja, “ele está preocupado comigo”. Veja, não é uma questão de masoquismo, é uma questão de receber atenção.

É impressionante o que pessoas perfeitamente normais fazem para recuperar um equilíbrio emocional. A rejeição é um ato implacável para qualquer pessoa. Defender-se dessa situação é perfeitamente normal, mesmo que seja por meio de algo que não nos parece, e com razão, agradável como uma bronca. Mas pelo menos existo.

Mas meu objetivo é ressaltar a importância desse fato nas organizações. Afinal, é muito clara a expectativa das pessoas e dos profissionais nas empresas em serem desafiadas, responsabilizadas e redirecionadas para seu crescimento. Principalmente por isso surgiu a minha paixão pelo conceito do Feedback que culminou com o lançamento do livro Dicas de Feedback. Sempre enfatizo: “qual a nossa expectativa após a prova? ”. A nota, sem dúvida, ou seja, o feedback. Isto é, não há desenvolvimento sem feedback. É fundamental sermos acompanhados e orientados, sempre.

Você não recebe feedback? Não tenha dúvida, peça, não fique sem. Explique a importância que tem para você. É o seu direcionamento, é o seu futuro.

Algumas vezes se pode imaginar que se a liderança não está acompanhando é porque tudo está indo bem. Mas esta é uma situação complicada e uma das razões desse comportamento pode ser a dificuldade da liderança em dar o feedback. A outra razão é quando o líder considera que fazer bem feito o trabalho é responsabilidade e obrigação. Não é, portanto, necessário qualquer comentário.

As duas razões apresentadas demonstram que há dificuldades por parte da liderança nesse procedimento. Aconselho mudar o foco e colocar a dificuldade em si próprio. Isto é, colocar para o líder que sente necessidade de um direcionamento porque às vezes não sabe como fazer melhor o seu trabalho. Isto é, pedir ajuda. Evidentemente essa alternativa não é garantia de solução. Há um risco de o líder considerar que o subordinado está demonstrando alguma insegurança e ele também pode voltar a dizer que irá orientar quando for necessário. Mas, algumas vezes percebi que nessas situações é necessário utilizar o sistema de “aproximações sucessivas”, que é ir falando aos poucos. Na minha carreira executiva tive que utilizar essa estratégia algumas vezes. Demorava um pouco mais, mas chegava a solução com mais consistência porque o líder, a cada aproximação, voltava a pensar sobre o assunto. Interessante é que algumas vezes ao apresentar a solução o líder colocava a questão como se a ideia e iniciativa fosse dele. Em minha opinião tudo bem. O importante é chegar a solução.

Precisamos muito do retorno da informação. Isso explica também aquele sentimento, que já comentamos, da ausência de resposta ás nossas solicitações. Não é bom o sentimento que temos quando as pessoas não respondem ao seu e-mail. Como já disse, até desculpas encontramos (o outlook dele está com problema). E como não ficamos sem respostas, criamos uma. Lembram-se disso? Então mais um exemplo. Afinal, o que é o telefonema ás 3 h da madrugada? Pois é, pode ser engano? Então, mas sempre pensamos no pior.

As pessoas querem ser acompanhadas e redirecionadas no seu processo de desenvolvimento.

Para o enfrentamento das condições projetadas para os ambientes organizacionais no futuro precisaremos reforçar a qualidade do relacionamento e, principalmente, o reconhecimento. O reconhecimento será a “pedra de toque” dos aspectos motivacionais e de engajamento dos profissionais. A própria questão da retenção de talentos será profundamente sensibilizada pelo reconhecimento.

As questões comportamentais irão aflorar como fatores determinantes da melhor condução dos negócios para o resultado.

Bernardo Leite

Similar Articles

PRÉ LANÇAMENTO DO NOVO ... SERÁ QUE A MINHA EMPRESA É ASSIM? Esse é um livro que trata do comportamento humano. Sem dúvida procura dar foco nos aspectos do Comportamento Organizacional, mas
Treinamento on-line ̵... Treinamento on-line em 3 módulos (dias 23, 26 e 30 de novembro / horário de 9h ás 11:40min)
Depoimentos do treinament... Depoimentos referente avaliação do treinamento de Avaliação de Desempenho e práticas de Feedback realizada pelo Idepro nas dependências da ABTD
De perto ninguém é norm... Texto referente ao 43o. Capítulo do novo Livro do Prof. Bernardo Leite: Será que minha Empresa é assim? Está na editora para lançamento em breve.
Criando Cultura de Feedba... A Cultura de Feedback pode ser considerada uma revolução nas relações internas e na dinãmica de desenvolvimento profissional nas Organizações
Relacionamento > Diferenc... Relacionamento > Diferencial para o amanhã (Estamos iniciando a Era do Reconhecimento) Presumo não haver dúvida sobre o fato de que o relacionamento sempre foi um fator
O novo enfoque da Avalia... O novo enfoque da Avaliação de Desempenho As grandes mudanças no ambiente empresarial e a necessidade de maior aproximação com os objetivos organizacionais alteram substancialmente, os procedimentos
Depoimentos sobre o curso... Obs. Omitimos os nomes dos depoentes por não termos solicitado a autorização para divulgação via site. ” O treinamento foi uma rica troca de experiências e um
Você está confortável?... Tudo bem, impossível negar que estar confortável é objetivo de todos, mas que é um grande risco não tenham dúvida! Um dos exemplos que utilizo para demonstrar
Pesquisa: A prática da A... Relatório da Pesquisa A Prática da Avaliação de Desempenho
Nenhum vendedor é uma il... Você pensa que o vendedor é um profissional solitário? Que está sozinho na rua á mercê de clientes desinteressados e que só se queixam da Crise?  
Uma análise sobre o posi... (ou, porque não basta bom sistema de gestão para a empresa ter sucesso!). Nesta última década do milênio foi notável, na postura dos executivos em geral, a
Nossa mensagem para você... Iniciamos 2009 em meio á uma crise econômica mundial com inevitável queda das expectativas. Mas o saldo final foi muito positivo! Neste ano, lançamos: O Livro “Dicas