Nem aplausos nem vaias, um silencio de morte

O título deste capítulo é um trecho da música Cabaré, de João Bosco e Aldir Blanc e reflete, com propriedade, uma situação muito comum e extremamente danosa para o equilíbrio emocional em geral.

O sentimento de ser ignorado e, ainda pior, rejeitado, sempre transitou entre algumas das mazelas mais frequentes dos relacionamentos.

Paralelamente comenta-se sobre o fato de que a Depressão é o Mal do Século. Sem dúvida a Depressão é uma enfermidade complexa, multicausal e que apresenta sintomas abrangentes, tanto comportamentais como fisiológicos que acomete uma significativa quantidade de seres humanos, infelizmente crescente.

A sensação de ser ignorado é, também, um mal disseminado que atinge pessoas em diversas faixas etárias, interferindo no seu comportamento e equilíbrio mental, por vezes marcando suas posturas frente á vida e seus desafios. Importante frisar que a rejeição é, inclusive, uma causa muito frequente nos traumas de infância ocasionando sérios comprometimentos na idade adulta. Este ponto tem mais importância porque os traumas de infância acompanham as pessoas pela vida toda.

Há sempre uma enorme expectativa das pessoas em serem reconhecidas e apreciadas pelos outros. Este ponto ganha destaque quando nos referimos á figuras marcantes da nossa vida.

A palavra Prezar, derivado do Latim “pretiare” significa: dar valor, apreciar, considerar. Portanto os prefixos de diminuição ou negação formam as palavras: desprezar e menosprezar que refletem a ausência do apreciar.

Interessante notar que até podemos viver (não muito bem, é verdade) sem elogios, mas é significativamente mais sério quando não recebemos nenhuma atenção, ou seja, nem elogios e nem críticas. É como se não existíssemos (por isso o título)

Como já comentei nos capítulos do Ciclo de Vida alguns funcionários até gostam quando recebem bronca de seus chefes. Algo como “puxa ele falou comigo”, ou seja, “ele está preocupado comigo”. Veja, não é uma questão de masoquismo, é uma questão de receber atenção.

H – Mas isso me pareceu um pouco exagerado. Você diz que não é uma questão de masoquismo, mas querer levar bronca não me parece uma coisa muito saudável.

É Halter. É impressionante o que pessoas perfeitamente normais fazem para recuperar um equilíbrio emocional. A rejeição é um ato implacável para qualquer pessoa, isto é, com maior segurança e autoestima ou não. Defender-se dessa situação é perfeitamente normal, mesmo que seja por meio de algo que não nos parece, e com razão, agradável como uma bronca. Mas pelo menos existo.

Só para exemplificar lembro-me de uma situação de infância (percebam que marcou, portanto), em que um amigo me confidenciou o seguinte sentimento: “tenho inveja de Você porque a minha mãe não fica no meu pé”.

Pois é, atenção é tudo!

Mas meu objetivo é ressaltar a importância desse fato nas organizações. Afinal, conforme o capítulo “Porque foco em pessoas”, é muito clara a expectativa das pessoas e dos profissionais nas empresas em serem desafiadas, responsabilizadas e redirecionadas para seu crescimento. Principalmente por isso surgiu a minha paixão pelo conceito do Feedback que culminou com o lançamento do livro Dicas de Feedback. Sempre enfatizo: “qual a nossa expectativa após a prova?”. A nota, sem dúvida, ou seja, o feedback. Isto é, não há desenvolvimento sem feedback. É fundamental sermos acompanhados e orientados, sempre.

Você não recebe feedback? Não tenha dúvida, peça, não fique sem. Explique a importância que tem para Você. É o seu direcionamento, é o seu futuro.

H – Bernardo existe uma expressão que às vezes é utilizada quando não se dá o feedback. A expressão é: Quando não estiver indo bem eu aviso! Como fazer nesses casos?

Entendo. Esta é uma situação complicada porque uma das razões é o líder não ter facilidade para dar feedback e essa seria uma desculpa para fugir do assunto. A outra razão é quando o líder considera que fazer bem feito o trabalho é responsabilidade e obrigação. Não é, portanto, necessário qualquer comentário.

H – Tudo bem, mas quero entender como fazer?

As duas razões apresentadas demonstram que há dificuldades por parte da liderança nesse procedimento. Aconselho mudar o foco e solicitar uma orientação. Não tenha receio de que isso possa parecer uma fraqueza. É uma ação previdente para se ter certeza de que se está no caminho certo.  Evidentemente essa alternativa não é garantia de solução. Ainda há chance de o líder pedir que Você faça o trabalho e que ele irá acompanhar de longe. Por isso algumas vezes percebi que nessas situações é necessário utilizar o sistema de “aproximações sucessivas”, que é ir falando aos poucos para que o assunto seja amadurecido. Na minha carreira executiva tive que utilizar essa estratégia algumas vezes. Demorava um pouco mais, mas chegava á solução com mais consistência porque o líder, a cada aproximação que eu fazia voltava a pensar sobre o assunto. Interessante é que algumas vezes ao se apresentar a solução o líder colocava a questão como se a ideia e iniciativa fosse dele. Em minha opinião tudo bem. O importante é chegar á solução.

Em suma, não podemos ficar esperando a iniciativa dos outros sobre nossas preocupações. Precisamos muito do retorno da informação. Isso explica também aquele sentimento, que já comentamos, da ausência de resposta ás nossas solicitações. Não é bom o sentimento que temos quando as pessoas não respondem ao seu e-mail. Como já disse, até desculpas encontramos para essas situações (o outlook dele esta com problema). E como não ficamos sem respostas, criamos uma. Lembram-se disso? Então mais um exemplo. Afinal, o que é o telefonema ás 3 h da madrugada? Pois é, pode ser engano? Então, mas sempre pensamos no pior.

Você já imaginou se o seu e-mail não foi respondido por que a pessoa está com alguns problemas adicionais muito mais complicados?  Pergunte!

As pessoas querem ser acompanhadas e redirecionadas no seu processo de desenvolvimento.

Para o enfrentamento das condições projetadas para os ambientes organizacionais no futuro precisaremos reforçar a qualidade do relacionamento e, principalmente, o reconhecimento. Como já afirmei anteriormente, o reconhecimento será a “pedra de toque” dos aspectos motivacionais e de engajamento dos profissionais. A própria questão da retenção de talentos será profundamente sensibilizada pelo reconhecimento.

As questões comportamentais irão aflorar como fatores determinantes da melhor condução dos negócios para o resultado. Mas não vamos nos esquecer de nossa “veia de ator”!

Similar Articles

PRÉ LANÇAMENTO DO NOVO ... SERÁ QUE A MINHA EMPRESA É ASSIM? Esse é um livro que trata do comportamento humano. Sem dúvida procura dar foco nos aspectos do Comportamento Organizacional, mas
Treinamento on-line ̵... Treinamento on-line em 3 módulos (dias 23, 26 e 30 de novembro / horário de 9h ás 11:40min)
Depoimentos do treinament... Depoimentos referente avaliação do treinamento de Avaliação de Desempenho e práticas de Feedback realizada pelo Idepro nas dependências da ABTD
De perto ninguém é norm... Texto referente ao 43o. Capítulo do novo Livro do Prof. Bernardo Leite: Será que minha Empresa é assim? Está na editora para lançamento em breve.
Criando Cultura de Feedba... A Cultura de Feedback pode ser considerada uma revolução nas relações internas e na dinãmica de desenvolvimento profissional nas Organizações
Relacionamento > Diferenc... Relacionamento > Diferencial para o amanhã (Estamos iniciando a Era do Reconhecimento) Presumo não haver dúvida sobre o fato de que o relacionamento sempre foi um fator
O novo enfoque da Avalia... O novo enfoque da Avaliação de Desempenho As grandes mudanças no ambiente empresarial e a necessidade de maior aproximação com os objetivos organizacionais alteram substancialmente, os procedimentos
Você está confortável?... Tudo bem, impossível negar que estar confortável é objetivo de todos, mas que é um grande risco não tenham dúvida! Um dos exemplos que utilizo para demonstrar
Matéria de 1991 – ... Esta matéria foi veiculada no Diário do Comércio de 26/09/1991 sobre o tema: Suporte das mudanças de organização da empresa. Isto é, qual o papel do treinamento no processo de mudanças?
Palesta – GRINAPE 29/07 A convite do GRINAPE – Grupo Informal de Administradores de Pessoal – Bernardo Leite realizará em 29.07 a palestra “Relacionamento Interpessoal e Feedback – Uma parceria de Sucesso” OBJETIVO:  ·  Porque Relacionamento
Acontece em 25/06 O curso “Inovação, empreendedorismo e mudanças em T&D” – Uma parceria com a ABTD. O curso contou com a participação de mais de 50 profissionais de diversas
Entrevista de Bernardo Le... O Feedback como deve ser Como construir na empresa uma cultura que compreenda a real importância do feedback e saiba aplicá-lo de maneira adequada no dia a
Feedback e Comunicação Feedback e Comunicação: (mais de 100 cursos e palestras deste tema em cinco estados da união – tema e enfoque absolutamente originais – Matéria da Revista Melhor