A cultura organizacional e a competitividade.

Competitividade é uma “moda” que não vai passar. Essa pode ser uma boa notícia para alguns e uma má noticia para outros, mas inevitavelmente é verdadeira. Em vista disso só nos resta assumi-la, se possível, da melhor maneira. Da mesma maneira que podemos relacionar a Cultura Organizacional com a “personalidade” da empresa, podemos também fazer uma analogia da competitividade com o esporte, para melhor compreende-la e para melhor convivência. É famosa a situação de se ter melhor desempenho quando o concorrente é forte. É como se costuma dizer no futebol: “em final de campeonato não tem favorito”! Outra analogia interessante reforça esse ponto. Porque recordes mundiais normalmente são conseguidos em competições internacionais? Podemos conjeturar sobre diversas razões, mas a principal é porque naquela competição estão os melhores do mundo. Há competidores com melhor retrospectiva do que eu. Como fazer nesse momento? Sem dúvida é preciso dar o melhor que se possa, ou seja, preciso me superar. É nesse momento que conseguimos o recorde mundial! Premidos pela competitividade. Aliás, a melhor invenção para a competitividade das empresas é… o concorrente! Em suma: “quando o concorrente é forte a empresa é forte, competitiva, desenvolvida”. Quando o concorrente é fraco a empresa se acomoda. E isso vale para nós, profissionais!”. Um bom exemplo é o segmento financeiro brasileiro que é um dos mais desenvolvidos do mundo. Como se não bastasse esse ponto, decorrente de diversas e mutantes políticas econômicas e financeiras, no Brasil estão os melhores e maiores “players” mundiais. É final de copa do mundo! A Cultura Organizacional de empresas competitivas, portanto, é sempre permeada de grandes desafios e por isso, de grande pressão. E aqui recaímos na questão da “percepção” da competitividade dentro da cultura organizacional. Para alguns é fator de stress, incomodo, adversidade. Mas não é na adversidade que crescemos? Admito que possa não ser muito agradável sentir-se pressionado. Mas algo inexorável no processo de crescimento é a meta, o desafio, enfim, a pressão. Nosso grande desafio é o de coexistir adequadamente com essa situação. Entender a dinâmica das organizações é fator de sobrevivência e desenvolvimento, mas, acima de tudo, pode ser um fator de satisfação pessoal por se fazer parte de um “time” de primeira linha, de alcançar objetivos desafiantes e, principalmente, de saber-se competente. A auto estima é determinante nos ambientes competitivos. Uma organização premida por valores de alta performance, participante de um segmento competitivo tem, inevitavelmente, uma Cultura Organizacional com características típicas onde a disciplina, o alcance de metas e a inovação constante são valores predominantes. Fomentar o princípio de “agregar valor” faz sentido para ambos, organização e quadro de colaboradores. Profissionais que experimentam essa realidade encontram uma grande “escola de desenvolvimento”. Culturas Organizacionais competitivas nos exigem crescimento. Aproveitem essa oportunidade!

Similar Articles

O novo enfoque da Avalia... O novo enfoque da Avaliação de Desempenho As grandes mudanças no ambiente empresarial e a necessidade de maior aproximação com os objetivos organizacionais alteram substancialmente, os procedimentos
Melhorando resultados por... De forma geral podemos considerar que dispomos de três tipos de recursos em nossas organizações. Eles são: ·         Recursos Materiais que são: as instalações, edifícios, equipamentos, matérias
O Mito de Pigmaleão e a ... O Mito Pigmaleão e a Gestão do desenvolvimento   Iniciando o nosso tema pergunto: No processo de gestão do desenvolvimento qual é a parcela de responsabilidade que
Feedforward – o fut... FEEDFORWARD > O futuro do feedback. Já esta em fase final o novo livro do Prof. Bernardo Leite: Em breve para Você! Esperamos que tenham o mesmo
Workaholic X Worklover A diferença entre estes dois “conceitos” ou “estado de espírito” se deve, em alguma medida, ao clima do local de trabalho
Relacionamentos que fazem... “Relacionamentos que fazem a diferença: uma vivência de Constelações Organizacionais” com o nosso parceiro GUSTAVO BOOG

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *