A gestão do conhecimento deve ser uma atitude!

Com freqüência nos defrontamos com novas teorias que são, apenas, “remakes” de antigos pressupostos.

Mas não é, do meu ponto de vista, o que acontece com a gestão do conhecimento. A questão inicial é que o conhecimento é um produto recente. Quer dizer, o conhecimento como elemento diferencial para os negócios na organização, pelo menos, assim como também é recente a preocupação em melhor aproveitamento deste recurso. Já faz aproximadamente 20 anos que se anuncia o surgimento do conhecimento como diferencial organizacional.

Repito que: “se nossa empresa soubesse tudo o que sabe nosso resultado seria muito melhor”, podendo ser traduzido como: “se nós tivéssemos acesso ao conhecimento de todos os funcionários que fazem parte da nossa empresa, sem dúvida teríamos um sucesso estrondoso!”, dizem alguns empresários.

Esta é a razão pela qual coloco a gestão do conhecimento em plano destacado no aspecto da gestão empresarial.

No entanto, a gestão do conhecimento não deve ser vista apenas como um estilo de gestão ou uma metodologia. A gestão do conhecimento deve ser uma atitude natural nas organizações de hoje. É um fator estratégico para sua sobrevivência e desenvolvimento.

E como o conhecimento é fator básico reconheço que várias outras ações organizacionais têm origem neste ponto. É o caso da gestão por competências, da retenção de talentos e o da aprendizagem organizacional.

Na organização o fator primário do conhecimento advém da experiência prática diária. A experiência prática diária se consubstancia em fatos do dia a dia de todo profissional. Estes fatos sofrem alterações através da análise e intervenção, agregando valor e constituindo-se em informação que, por sua vez, sistematizada, transforma-se em conhecimento. O conhecimento então é fruto da transformação intelectual e o seu próprio desenvolvimento é, também fruto de um processo de transformação. Isso nos esclarece porque a internet é apenas fonte de informação. Conhecimento é a transformação da informação.

Percebam que o conhecimento inicia-se pela (i) identificação da realidade; (ii) sofre uma ação de análise e interpretação; (iii) é experimentado praticamente; (iv) recebe a contribuição do compartilhamento e, (v) consegue ser validado pela experiência, transformando-se em um novo e desenvolvido conhecimento.

E é esse processo, que somado às características pessoais de cada profissional que fundamenta a composição básica da competência.

A exemplo do que ocorre com a formação do conhecimento a competência é conseqüência desse raciocínio, só se tornando real e concreta se manifestada e em direção às necessidades estratégicas do negócio (competências essenciais).

Agora se isto é a expressão natural dos fatos porque é importante ressaltar. Não deveria ser algo natural?

Sem dúvida, mas, ocorre que as ações organizacionais não podem depender de movimentos teóricos apenas. É imprescindível que exista uma consciência globalizada dos processos e dos objetivos da ação. É necessário que exista atitude!

Por exemplo, na questão de retenção de talentos, que tem gerado ampla especulação dos meios teóricos para uma solução. A pergunta crucial que deveremos nos fazer é: porque estes são os nossos talentos? Assim estaremos encontrando o diferencial para a manutenção desses talentos em nossos quadros. Todos querem manter as características que os tornam diferenciais, seja conhecimento, sejam habilidades, sejam realização.

Sabemos que não é, apenas, salário que segura os melhores profissionais.

Mas como tornar a gestão do conhecimento uma atitude? Lógico que a tecnologia, via intranets, extranets, Internet, propicia poderoso ferramental para organizar essa massa de informações e de necessidades de compartilhamento.

Mas são os sinalizadores da gestão que possibilitam resultados significativos nesta empreitada.

Antes mesmo de uma ação fundamentada na tecnologia é fundamental identificar e definir profissionais internos, na organização, que possam constituir-se em Portais Humanos que iniciem o processo.

Deve-se fazer um consistente e objetivo investimento na direção de fazer conhecer o processo global do negócio da empresa. Devem-se desenvolver reuniões e oportunidades para troca de informações sobre problemas atuais e sobre necessidades futuras do negócio. Mas, principalmente, a organização deve reconhecer a dimensão estratégica desta ação, privilegiando os objetivos de conhecer, pelo menos, aquilo que nosso funcionário conhece.

Da mesma maneira gostaria de recomendar, às Associações de Classe em geral, que exerçam um esforço objetivo nesse sentido. Notadamente nas associações de Recursos Humanos, como, ABRH, AAPSA e outros iniciativas associativas, poderia se converter em iniciativa extremamente rica.

Em suma, teremos que envidar nossos melhores esforços para colocar nossas estruturas no caminho do desenvolvimento do conhecimento. Ou esquecer a corrida.

Similar Articles

De perto ninguém é norm... Texto referente ao 40o. Capítulo do novo Livro do Prof. Bernardo Leite: Será que minha Empresa é assim? Está na editora para lançamento em breve.
Criando Cultura de Feedba... A Cultura de Feedback pode ser considerada uma revolução nas relações internas e na dinãmica de desenvolvimento profissional nas Organizações
Relacionamento > Diferenc... Relacionamento > Diferencial para o amanhã (Estamos iniciando a Era do Reconhecimento) Presumo não haver dúvida sobre o fato de que o relacionamento sempre foi um fator
O novo enfoque da Avalia... O novo enfoque da Avaliação de Desempenho As grandes mudanças no ambiente empresarial e a necessidade de maior aproximação com os objetivos organizacionais alteram substancialmente, os procedimentos
Você está confortável?... Tudo bem, impossível negar que estar confortável é objetivo de todos, mas que é um grande risco não tenham dúvida! Um dos exemplos que utilizo para demonstrar
A cultura organizacional ... Competitividade é uma “moda” que não vai passar. Essa pode ser uma boa notícia para alguns e uma má noticia para outros, mas inevitavelmente é verdadeira. Em
Depoimentos sobre: Veleja... Depoimentos de profissionais de Recursos Humanos sobre o Treinamento de “Team Building” – Velejando em busca da Competência – realizado em parceria com a ABTD ·        O evento
O treinamento pode ser pr... Neste artigo quero homenagear uma área que é a própria essência de R.H.: a área de Treinamento e Desenvolvimento. Acredito que não há a menor dúvida de
O lado negro da “força” Toda profissão tem seu “lado negro” no mau uso de suas funções, mas nos interessa a área de RH, onde temos conhecimento de causa. Talvez a mais
Coaching Personalizado COACHING PERSONALIZADO Uma Ação Eficaz para o Desenvolvimento Gerencial nas Empresas O que é, como se faz e quais as vantagens desta técnica que mesmo parecendo velha

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *