Liderança Comportamental

LIDERANÇA COMPORTAMENTAL

 

 

Muito se fala e se escreve sobre a questão da Liderança. Tema recorrente pela própria circunstância da mutação contínua que a Liderança enseja em seus princípios e na constante adequação da ação ás necessidades mutantes dos seres humanos e das organizações.

Mudam os negócios e o mercado, mudam as empresas, mudam as pessoas, muda a liderança. Princípio de adaptação e sobrevivência da espécie.

As teorias sobre a liderança normalmente tratam da forma como se deve liderar. Estilos, técnicas e ferramentais que não atendem a flexibilidade necessária para o enfrentamento dessas novas e rápidas mudanças. Foca-se o liderado, os grupos e suas peculiaridades.

Mas, está mais do que na hora de se focar o próprio líder.

Ele é a alternativa ás imprevisibilidades do momento atual, quando as exigências extrapolam o convencional e experimentado, levando as pessoas a enfrentarem situações absolutamente novas e desconhecidas.

A Escola Comportamental e mesmo a Psicologia Comportamental tratam da relação direta de causa e efeito e do próprio homem como medida. Ora, “o homem é a medida de todas as coisas” (Protágoras – 480 a.C.), reforçando o “Penso, logo existo” (Descartes – 1600).

Como ser líder, portanto, se não me tornar a medida? E como se tornar a medida se não aprender a “Liderar a si próprio!”.

O líder é o guia e é responsável por outras pessoas. As competências da Liderança têm peso próprio e, além disso, e principalmente, posição estratégica porque influenciam a competência de seus liderados. Ao líder cabe desenvolvê-los.

Liderança é, portanto, “influenciar as ações dos outros” (Krausz).

Por isso “liderar é, antes de tudo, liderar a si próprio”.

Construir uma visão é fator determinante para se conseguir liderar a si próprio. É definir um “alvo”. É necessário tomar-se as decisões de hoje com olhos no futuro que se deseja. É a realização de seus dons. É fazer a diferença! Para si próprio e para os outros a quem destinamos nossas causas. A visão inclui valores, emoção e princípios. O líder tem que ser a medida e ter uma visão nos possibilita operacionalizar as nossas expectativas.

Mas não inventamos nossa Visão, nós a encontramos! E ter visão nos possibilita tomar decisões com “alvo”.

Sem dúvida este é o condicionante das decisões. Afinal: “uma boa decisão é resultado de um bom julgamento. O bom julgamento é resultado da experiência. E a experiência é, muitas vezes, resultado de um mau julgamento”.

Portanto, em qualquer decisão pergunte-se antes: Qual o meu motivo?

Isso quer dizer: O que pretendo? O quero causar? Quanta influência negativa está envolvendo meu julgamento? Afinal, estou só pretendendo dar o troco?

“Não dá para resolver um problema com o mesmo raciocínio que o causou (Einstein)”.

De outra forma precisamos de coerência e consistência. Não teremos resultados imediatamente. É necessário trabalhar-se para isso (ás vezes muito). Sucesso ou insucesso não são experiências que ocorrem da “noite para o dia”. São feitas de pequenas decisões ao longo do caminho. Nós somos as nossas escolhas.

E nossas escolhas são fruto de um bom planejamento estratégico. Todos temos necessidades de uma boa visão estratégica. Disso decorre analisarem-se nossos pontos fortes e nossos pontos fortes. Entendermos as necessidades de parcerias e de desenvolvimento.

Tomar uma decisão significa escolher e escolher significa perder algo. Porter considera que uma empresa tem uma estratégia quando ela define o que “não faz”.

Não podemos fazer tudo. Temos que escolher e dar “foco” ás nossas ações e decisões.

O foco é mágico! Permite que coloquemos nossos melhores recursos no objetivo a ser atingido. Afinal, “gerenciar é trabalhar com a escassez!”.

E, por isso, temos que aprender a trabalhar com nossos recursos mais preciosos: nossos liderados.

São eles que nos permitem resultados.

Então:

– Definam padrões elevados.

– Lembre-se de que sucesso é conseqüência de foco de longo prazo (“a demora de Deus não é uma negativa!”).

– e Tenha uma crença! Acredite e saiba que “apenas Você poderá determinar o seu caminho”.

Reforce a iniciativa da sua equipe (Você erra 100% dos chutes que não dá!). Permita a tentativa.

– Por isso procure vislumbrar oportunidades e dar a direção.

Mas ao ouvir uma idéia procure “dormir com ela”. Isto é, não se precipite em dar sua opinião. Veja-a por outros ângulos. Ocupe-se em direcionar, não em fazer.

– Esteja junto, principalmente daqueles que fazem. Delegue a ação, nunca a responsabilidade. Acredite e faça-os acreditar que se não der certo Você é o responsável pelo fracasso. Se todos entenderem isso eles não deixarão que fracasse. É muito mais fácil aceitarmos o fracasso quando somos os únicos responsáveis por ele. Quando o responsável é o outro, que acreditou na ação, não aceitamos que fracasse.

– Cuidado para não melhorar muito as novas idéias! É provável que Você possa, mas não deve. Leve os outros a fazerem isso. Não lhes tire a paternidade. Aguarde para melhorar no processo. Lembre-se: “Uma boa idéia não sobrevive sem alguém apaixonado por ela”.

– E, finalmente, pense grande! Avalie, acredite e Ouse. Faça com que eles imaginem possibilidades maiores. E teremos resultados maiores nos negócios e, principalmente, na auto-estima dos nossos liderados.

 

 

Bernardo Leite Moreira

 

 

Similar Articles

PRÉ LANÇAMENTO DO NOVO ... SERÁ QUE A MINHA EMPRESA É ASSIM? Esse é um livro que trata do comportamento humano. Sem dúvida procura dar foco nos aspectos do Comportamento Organizacional, mas
Treinamento on-line ̵... Treinamento on-line em 3 módulos (dias 23, 26 e 30 de novembro / horário de 9h ás 11:40min)
Depoimentos do treinament... Depoimentos referente avaliação do treinamento de Avaliação de Desempenho e práticas de Feedback realizada pelo Idepro nas dependências da ABTD
De perto ninguém é norm... Texto referente ao 43o. Capítulo do novo Livro do Prof. Bernardo Leite: Será que minha Empresa é assim? Está na editora para lançamento em breve.
Criando Cultura de Feedba... A Cultura de Feedback pode ser considerada uma revolução nas relações internas e na dinãmica de desenvolvimento profissional nas Organizações
Relacionamento > Diferenc... Relacionamento > Diferencial para o amanhã (Estamos iniciando a Era do Reconhecimento) Presumo não haver dúvida sobre o fato de que o relacionamento sempre foi um fator
O novo enfoque da Avalia... O novo enfoque da Avaliação de Desempenho As grandes mudanças no ambiente empresarial e a necessidade de maior aproximação com os objetivos organizacionais alteram substancialmente, os procedimentos
Depoimentos sobre o curso... Obs. Omitimos os nomes dos depoentes por não termos solicitado a autorização para divulgação via site. ” O treinamento foi uma rica troca de experiências e um
Você está confortável?... Tudo bem, impossível negar que estar confortável é objetivo de todos, mas que é um grande risco não tenham dúvida! Um dos exemplos que utilizo para demonstrar
Mais uma parceria de Bern... Em parceria com o Espaço Conhecer, acontecerá nos dias 23 e 24 de junho mais uma turma do curso “Gestão de Pessoas para profissionais de formação técnica”.
Globalização Interna da...  (O autor deste texto, André Ambrósio Abranczuc,  consultor empresarial, foi funcionário, como executivo responsável pela área de Qualidade Total, da primeira implantação do Programa da Rede Clientes e Fornecedores
4º Workshop Empresarial ... Está confirmada a participação do Prof. Bernardo Leite no 4º Workshop Empresarial do ABC que acontecerá no dia 24/05. O evento abordará o Tema: “Empreender esta é
PESQUISA: TENDÊNCIAS DE ... PARTICIPE DA PESQUISA E RECEBA OS RESULTADOS DIRETAMENTE
A sinergia na Empresa Ninguém é uma ilha! Esta frase retrata uma realidade incontestável. Cada vez mais percebemos a efetiva interdependência para alcançar resultados. Nos subsistemas de Recursos Humanos ocorre o

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *