O programa dos novos 5 S

Porque os 5 s – programa criado no Japão em 1950 está tendo sucesso atualmente?
A ferramenta ” programa dos 5 s” surgiu no Japão em 1950, criado pelo engenheiro de manutenção “Kaoru Ishikawa” que, após um estágio no EUA (derivado do plano Marshal) implanta a ferramenta no Japão . Na mesma época estava sendo fundado o “jpc” – centro de produtividade do Japão.
Os 5 s foi, portanto, a primeira ferramenta de envolvimento, participação e produtividade do japão no pós guerra . Mais recentemente (1996) o programa foi alvo de um desenvolvimento por parte de um grupo de técnicos no Japão. Houve um fortalecimento da questão comportamental.
Os 5 s são chamados de :
” base para implementação da qualidade total ” .
Sem exagero os 5 s é um dos responsáveis pelo sucesso da empresa japonesa e pelo próprio reerguimento do Japão .
“Uma ilustração gráfica da importância desta ferramenta é uma árvore cujo tronco ( base) representa os 5 s e os galhos os demais instrumentos japoneses conhecidos de gestão da qualidade e produtividade como por exemplo : tqc; ccq; tpm; jit; kanbam; kaizen; etc.”

o que é 5 s ?
O nome deriva, simplesmente, de 5 palavras japonesas (nomeando os 5 passos da ferramenta ) que iniciam com a letra s , como segue :
– Primeiro s (passo): Seiri :
– Significa – separar o necessário do desnecessário .
– Este passo inicia-se com o “akafuda” (que é um cartão vermelho) que é aplicado pelos funcionários da empresa, nos objetos, equipamentos, móveis, papéis, arquivos, ou outros objetos que são considerados, pelos funcionários, como desnecessários ou não úteis e que devem ser removidos da área de trabalho.
– Estes objetos removidos poderão ser descartados, consertados, transferidos, vendidos ou qualquer outra destinação.
– Neste dia inicial é comum o ambiente da empresa apresentar vários cartões vermelhos que apontam objetos desnecessários para que sejam removidos .
– Somente após a remoção desses objetos (normalmente para uma área de descarte) é que da-se início ao segundo s.

 

– Segundo s (passo): Seiton:
– Significa – arrumar e organizar o ambiente
– O seiton parte do princípio de que uma grande fonte de desperdício na empresa refere-se ao deslocamento de pessoas e à perda de tempo resultante na procura de objetos, documentos, ferramentas, materiais e etc, que nunca estão no lugar que deveriam estar !
– A organização e arrumação é baseada em um sistema de comunicação visual, simples, que identifique e localize tudo, na empresa . É um c.e.p. ( código de endereçamento postal ) da empresa .
– Quase tudo pode ser identificado para localização rápida . Deve-se evitar manuais e outros sistemas que possam burocratizar. Deve-se enfatizar a comunicação visual.

– Terceiro s (passo): Seisso:
– Significa – limpar e, principalmente, manter limpo o ambiente, para facilitar a manutenção da área e dos equipamentos .
– A limpeza é enfocada objetivamente neste passo. Ela é efetuada pelas próprias pessoas do setor, principalmente por causa da ação de inspeção . Isto quer dizer que não é só limpar mas, limpar inspecionando a sistemática de funcionamento do processo .
– Normalmente as pessoas responsáveis pela limpeza na empresa deveriam ater-se ás áreas de uso comum, por exemplo, banheiros, corredores , etc .
Bom !, estes são os três s operacionais, isto é os s que se praticam os outros dois restantes são de fundo filosófico, e servem como parâmetros de manutenção do sistema .
– Quarto s (passo): Seiketsu :
– Significa – manter tudo limpo, organizado, sinalizado e com asseio .
– Este quarto s sugere a criação de um hábito.
– Cada funcionário vai praticando e percebendo, por sí mesmo, a importância da continuidade do procedimento. Por exemplo, é importante limpar, mas é fundamental não sujar .
– Como apoio a esse procedimento é implantado, normalmente, um sistema de “auditoria dos 5 s” , como uma forma de avaliação e premiação dos melhores setores da empresa .
– O quinto s (passo): Shitsuke:
– É o grande objetivo do programa .
– Deriva, no idioma japonês, da palavra “shitsuku” , isto é : acostumado, incorporado .
– E significa exatamente isso – educação, de forma a que se executem os demais 4 s , de maneira natural e espontânea .
– É comum, neste estágio, que os funcionários já tenham levado para suas casas o conceito dos 5 s . A interferência no ambiente organizacional é patente e é esse clima motivacional que traz melhorias para a qualidade e produtividade da empresa .
O programa dos 5 s é baseado, cientificamente, em princípios de educação (era matéria das escolas infantis, no Japão). Dessa maneira a técnica da repetição é consubstanciada na aplicação por ciclos, dos três primeiros s, que se repetem por três ou quatro vezes, da seguinte forma:
1- O primeiro ciclo de aplicação dos três primeiros s ( seiri/seiton e seisso) funciona como um aprendizado ( aprende-se fazendo ) , como um teste de credibilidade da estrutura e o envolvimento ainda é tímido (demora, em média, 40 dias para aplicação dos três primeiros s) .
2- O segundo ciclo já denota percepção mais apurada, maior envolvimento e é nesse ciclo que inicia-se o processo de avaliação (demora, em média, 30 dias para a reaplicação dos três primeiros s) .
3- O terceiro ciclo de aplicação já faz aparecer as primeiras iniciativas, começa o “ajuste fino” do processo e a manutenção do programa (seiketsu) já é uma realidade (demora, em média, 20 dias).
4- No quarto ciclo de aplicação dos três primeiros s já nota-se o fator de assimilação da cultura, a ação é autônoma e o processo irreversível (demora, em média, 15 dias).

Similar Articles

PRÉ LANÇAMENTO DO NOVO ... SERÁ QUE A MINHA EMPRESA É ASSIM? Esse é um livro que trata do comportamento humano. Sem dúvida procura dar foco nos aspectos do Comportamento Organizacional, mas
Treinamento on-line ̵... Treinamento on-line em 3 módulos (dias 23, 26 e 30 de novembro / horário de 9h ás 11:40min)
Depoimentos do treinament... Depoimentos referente avaliação do treinamento de Avaliação de Desempenho e práticas de Feedback realizada pelo Idepro nas dependências da ABTD
De perto ninguém é norm... Texto referente ao 43o. Capítulo do novo Livro do Prof. Bernardo Leite: Será que minha Empresa é assim? Está na editora para lançamento em breve.
Criando Cultura de Feedba... A Cultura de Feedback pode ser considerada uma revolução nas relações internas e na dinãmica de desenvolvimento profissional nas Organizações
Relacionamento > Diferenc... Relacionamento > Diferencial para o amanhã (Estamos iniciando a Era do Reconhecimento) Presumo não haver dúvida sobre o fato de que o relacionamento sempre foi um fator
O novo enfoque da Avalia... O novo enfoque da Avaliação de Desempenho As grandes mudanças no ambiente empresarial e a necessidade de maior aproximação com os objetivos organizacionais alteram substancialmente, os procedimentos
Você está confortável?... Tudo bem, impossível negar que estar confortável é objetivo de todos, mas que é um grande risco não tenham dúvida! Um dos exemplos que utilizo para demonstrar
Mais uma parceria de Bern... Em parceria com o Espaço Conhecer, acontecerá nos dias 23 e 24 de junho mais uma turma do curso “Gestão de Pessoas para profissionais de formação técnica”.
WORKSHOP FEEDBACK & ... WORKSHOP: FEEDBACK & COMUNICAÇÃO Com apresentação inicial das tendências da Avaliação de Desempenho. Com Prof. Bernardo Leite – autor do livro “Dicas de Feedback”
Você é um negociador? Esta é uma pergunta desnecessária. Por mais que não nos damos conta disso, todos somos negociadores. Negociar é, antes de tudo, um ato de relacionamento e, como
Não há desenvolvimento ... Esta afirmação é incontestável. O aprofundamento que temos realizado nesta “ferramenta de gestão” por meio de mais de 100 cursos e palestras para mais de 1000 profissionais e que
Assédio moral (você ain... O título parece forçar um pouco a barra ao lembrar o famigerado e discutidíssimo Assédio Sexual. Mas não há nada a forçar, principalmente porque o tema não

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *